Sobre

Este site tem como objetivo oferecer recursos, principalmente em áudio, sobre a fé, a cosmovisão e a piedade reformada.

Recent tags

Lição 2: A época em que o Catecismo de Heidelberg foi escrito

Lição 2: A época em que o Catecismo de Heidelberg foi escrito

Olá Débora, seja bem-vinda à nossa segunda lição.

Espero que a primeira lição tenha lhe ajudado, e que você tenha começado a fazer o curso Introdução à Catequese.

Oração.

Débora, agora que você já tem uma noção sobre o que é um catecismo e como usá-lo, quero lhe falar algo sobre a história do Catecismo de Heidelberg.

Nesta segunda lição, lhe falarei sobre a época em que o Catecismo de Heidelberg foi escrito.

A primeira edição do Catecismo de Heidelberg data de 19 de janeiro de 1563. Qual foi o contexto histórico da Europa nesta época?

Vamos pensar em outras datas para nos situarmos.

Em 31 de outubro de 1517, Martinho Lutero havia pregado na porta da igreja do Castelo da cidade de Wittenberg as suas 95 teses contra as indulgências.

Em 1536, quando os cristãos reformados na França estavam sob perseguição, João Calvino publicou a primeira edição das Institutas da Religião Cristã.

Em anos seguintes ele esteve servindo em Genebra (1536-1538), depois em Estrasburgo (1538-1541), e depois em Genebra novamente (1541-1564). Calvino escreveu a última edição em latim, das Institutas em 1559. Calvino morreu em 27 de maio de 1564, aos 55 anos.

Alguns anos antes, em 1561, um pastor chamado Guido de Bres, escreveu uma confissão de fé, à qual chamamos de Confissão Belga. Essa confissão foi composta como uma pequena apologia para os cristãos reformados que eram perseguidos nos Países Baixos. Guido de Bres estudou com João Calvino e Teodoro Beza em Genebra. A Confissão Belga é o primeiro dos padrões doutrinários da Igreja Reformadas.

Débora, depois compare essas datas, com as datas mais específicas relacionadas ao Catecismo de Heidelberg.

Creio que com essas datas você percebeu que o Catecismo de Heidelberg surgiu na época em que a Grande Reforma eclodiu na Europa.

Uma das coisas que devemos lembrar sobre esta época é que naquele momento havia diferentes grupos religiosos na Europa. E que a religião adotada pelo príncipe era a religião oficial do Estado que governava. Por isso, houve nessa época muitas perseguições. Por exemplo, na França, uma vez que o rei Francisco I, era romanista, sendo pressionado, ele infligiu uma severa perseguição contra os reformados franceses.

Além disso, muitas guerras aconteciam entre príncipes que haviam abraçado diferentes posições. Além disso, havia muitas imigrações. Famílias inteiras deixavam sua pátria, para ir para um lugar onde pudessem viver longe das perseguições.

Agora,, vamos pensar um pouco sobre esses diferentes grupos existentes na Europa na época da Reforma.

Em primeiro lugar havia os romanistas. Eu os chamo assim por entender que o termo “católico” (cujo o significado é universal), não é um termo que pertence a eles. A Igreja de Cristo é católica, apesar de não ser romana. Por isso, os reformadores os chamavam de papistas, querendo dizer que eram seguidores do papa. Os romanistas eram o grupo maior na Europa. E tinha grande poder político, militar e econômico. A maioria dos príncipes era romanista.

Outro grupo, eram os luteranos. Assim ficaram conhecidos aqueles que principalmente na Alemanha, haviam abraçado os ensinos de Martinho Lutero. Com a propagação dos ensinos de Lutero, muitos príncipes alemães adotaram o luteranismo como religião de seu estado, inclusive eles se juntaram formando a chamada Liga de Esmalcalda.

Mais um grupo religioso dessa época, foram os anabatistas. O termo “anabatistas” significa “rebatizadores”. Isso porque, eles não aceitavam a validade do batismo infantil e requeriam um rebatismo.

Os anabatistas eram na verdade, grupos variados espalhados pela Europa. Havia grupos mais moderados e outros nem tanto. Por exemplo, João de Leiden, convenceu os anabatistas da cidade de Munster, a ungi-lo e coroá-lo como “rei da justiça” e “regente da Nova Sião”. E instalou a poligamia, casando ele mesmo com 16 mulheres.

Geralmente nos referimos à Reforma promovida por Lutero, Calvino e outros como sendo reforma magisterial, porque promoveram a reforma por meio de ensinar a palavra de Deus. Quanto aos anabatistas, geralmente denominamos de Reforma Radical.

Entre as doutrinas distintivas dos anabatistas, podemos mencionar as seguintes: rejeição do batismo infantil, a comunhão imposta de bens e propriedades, muitos deles negavam a doutrina da Trindade, eram contrários à guerra, ao mesmo tempo em que se rebelavam contra os governos, e tinham uma forte ênfase em dons proféticos e novas revelações. Além disso, negavam, doutrinas confessadas pelos reformadores, como a total depravação, o pecado original e a eleição.

Débora antes que você ache que os batistas dos nossos dias sejam os anabatistas da época da Reforma, preciso lhe dizer, que não há uma correspondência exata. Porém, como você já deve ter notado, a maior parte das igrejas evangélicas de nossa país, são herdeiras espirituais da Reforma Radical, e não da Reforma Magisterial. É por isso, que eu particularmente não gosto de me denominar de evangélico, mas como um cristão de confissão reformada.

Isso nos leva ao próximo grupo que surgiu a partir da Reforma na Europa. Eles ficaram conhecidos como calvinistas. Foram assim chamados porque um de seus principais expositores foi João Calvino. Eles também foram chamados de reformados por toda Europa e de e huguenotes na França. Uma grande parte dos cristãos reformados no Continente Europeu adotou aqueles documentos confessionais que chamamos de As Três Formas de Unidade, a saber: a Confissão belga (1561), o Catecismo de Heidelberg (1563) e os Cânones de Dort (1619).

Nas ilhas britânicas, os reformados ficaram conhecidos como presbiterianos. Os irmãos presbiterianos tem como seus documentos confessionais os Padrões de Westminster: o Catecismo Maior, o Catecismo Menor e a Confissão de Fé de Westminster (aprovados em 1648).

Débora, espero que com todas essas informações históricas, você tenha pelo menos uma noção da época em que o Catecismo de Heidelberg surgiu.

Ao ler o catecismo você perceberá elementos desse contexto histórico no qual o Catecismo de Heidelberg foi escrito.

Vamos fazer um pequeno exercício. Tente responder.

Vejamos a pergunta 74: As crianças pequenas devem ser batizadas?
A resposta a esta pergunta lida com que grupo?
Se você respondeu os anabatistas, acertou.

Vejamos a pergunta 78: Então, o pão e o vinho são transformados no corpo e no sangue reais de Cristo?
A resposta a esta pergunta lida com os erros de que grupo?
Se você respondeu os romanistas e luteranos, acertou.

E quanto à pergunta 80: Qual é a diferença entre a Ceia do Senhor e a missa do papa?
A resposta a esta pergunta lida com que grupo?
Se você respondeu os romanistas, acertou.

E a pergunta 101. Mas será que podemos, de modo piedoso, fazer juramentos e votos em Nome de Deus?
Se você respondeu os anabatistas, acertou.

Muitos outros exemplos poderiam ser dados, mas nós os veremos na medida em que avançarmos através do Catecismo de Heidelberg, pergunta por pergunta.

Débora, espero que esta segunda lição, tenha dado a você uma noção do contexto histórico do Catecismo de Heidelberg. E que você tenha observado que os mesmos erros com os quais or reformadores tiveram que lidar, ainda são um desafio em nossos dias.

Obrigado por usa atenção Débora, se quiser revisar a lição visite o site elienaibatista.com. Lá você encontrará o texto e o áudio para ouvir online ou baixar.

Permitindo o Senhor, na terceira lição falarei sobre: O lugar em que o Catecismo de Heidelberg foi escrito.

Até a próxima lição! E que o Senhor te conceda graça, sabedoria e perseverança em seus estudos.

Ficha Técnica

Conteúdo e voz: Elienai B. Batista.
Edição de áudio: Abner F. B. Batista.

Bibliografia recomendada

LINDBERG, Carter. As Reformas na Europa. São Leopoldo: Sinodal, 2001.

GEORGE, Timothy. Teologia dos Reformadores. São Paulo: Vida Nova, 1993.

Dúvidas

Caso você tenha alguma dúvida sobre a pregação, pode usar o nosso grupo no Facebook para fazer sua pergunta. Porém, só responderei quando me for possível. Para isso, clique aqui e peça acesso ao grupo, escreva sua pergunta e link meu nome dentro do grupo. Quando puder responderei.

LiçõesTítuloDuraçãoTamanhoData
ApresentaçãoApresentação do Curso Estudos no Catecismo de Heidelberg.00:03:413,71 MB04/10/2017
Lição 001O que é um catecismo e como usá-lo.00:10:129,66 MB04/10/2017
Lição 002A época em que o Catecismo de Heidelberg foi escrito.00:10:319,94 MB05/10/2017
Lição 003O lugar em que o Catecismo de Heidelberg foi escrito.00:11:2410,7 MB16/10/2017
Lição 004A autoria e data do Catecismo de Heidelberg.00:10:089,62 MB18/10/2017
Lição 005Os objetivos do Catecismo de Heidelberg.00:09:188,85 MB20/10/2017
Lição 006A estrutura do Catecismo de Heidelberg.
Lição 007O esboço do Catecismo de Heidelberg.
Lição 008As características do Catecismo de Heidelberg.
Compartilhe!
Pr. Elienai B. Batista

Elienai B. Batista

Verbi Dei Minister

Ministro da Palavra e dos Sacramentos atualmente trabalhando em um projeto missionário ligado ao Centro de Literatura Reformada (CLIRE), e na plantação de uma Igreja Reformada em Paulista – PE.

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 10 outros assinantes

Pr. Elienai B. Batista

Ministro da Palavra e dos Sacramentos atualmente trabalhando em um projeto missionário ligado ao Centro de Literatura Reformada (CLIRE), e na plantação de uma Igreja Reformada em Paulista – PE.

Related posts
Leave a reply