Sobre

Este site tem como objetivo oferecer recursos, principalmente em áudio, sobre a fé, a cosmovisão e a piedade reformada.

Recent tags

O Ensino Bíblico sobre o Adultério

O Ensino Bíblico sobre o Adultério

Palestra ministrada no dia 5 de junho de 2017, no auditório do Centro de Literatura Reformada, por ocasião do lançamento do livro Fidelidade – Como ser marido de uma só mulher (Douglas Wilson).

Para adquirir o livro Fidelidade, visite a loja do CLIRE.


Introdução

Douglas Wilson é pastor e escritor que tem produzido muito conteúdo. Ele é casado a 40 anos com Nancy, tem três filhos e 17 netos.

O livro “Fidelidade” é o terceiro livro de Douglas Wilson, publicado pelo Centro de Literatura Reformada: 1) Homens do Futuro; 2) Casamento Reformado.

Com essas publicações o CLIRE não está abonando tudo que é publicado por Douglas Wilson, principalmente o ensino dele referente à visão federal.

Mas reconhecemos que nesta área sobre família e casamento, ele tem dado uma contribuição muito boa, e conforme o ensino bíblico.

Antes de falar sobre o tema que escolhi desenvolver esta noite, me permitam falar algo sobre o livro: Fidelidade, cujo subtítulo é: Como ser um marido de uma só mulher.

Este livro destinado a homens e seus filhos. Os assuntos são apresentados de forma a lidar com as lutas e pecados dos homens. A apresentação desses assuntos ligados à moralidade sexual é uma apresentação direta (capítulo 1). Por isso há uma recomendação na contracapa do livro (ler).

O livro trata de pecados como: cobiça, pornografia, fornicação, adultério, divórcio, prostituição, estupro, poligamia, sodomia, masturbação, e temas como celibato, sexo após a ressurreição?, soluções sexuais, de sua carne e de seus ossos.

Há uma apêndice com perguntas e respostas sobre os temas desenvolvidos, e um apêndice sobre “Glória sexual” (cabelo da mulher; 1Co 11).
A abordagem de Wilson, não só condena o pecado, mas procura mostrar as razões para combater tais pecados, o modo como devem ser combatidos, a sabedoria para prevenir quedas em tais pecados, tudo isso de uma perspectiva condizente com a masculinidade bíblica.

O livro tem um recurso muito útil, especialmente para pastores, um índice de referências bíblicas.

Agora que vocês tem uma ideia geral do livro, vamos nos dirigir para o tema dessa noite: O ensino bíblico sobre o adultério.

Então o que farei hoje é apresentar alguns pontos tratados por Douglas Wilson no capítulo 4 do livro: Adultério.

Eu não vou falar de tudo que é tratado no capítulo 4, por isso, quero começar dando a vocês uma ideia da estrutura deste capítulo.

Wilson começa mostrando que o adultério é um problema do coração.

Por isso, devemos conhecer e entender não só as passagens bíblicas que nos ensinam a evitar o adultério, mas também aquelas que concedem aos homens a graça necessária para lidar com suas motivações.

Assim sendo, Wilson oferece cinco motivos bíblicos para evitarmos o adultério, e depois apresenta meios designados na Bíblia para evitar o adultério. Ele fala também da sabedoria necessária para não cair em certas armadilhas.

O adultério é um problema do coração. Wilson começa por lembrar que o padrão ensinado por Jesus, e que encontramos por toda Escritura é que a obediência à lei nunca é uma questão de mera conformidade externa, mas é uma questão de lealdade de coração.

Há uma diferença entre pensar sobre pecados (religiosos) e pensar sobre pecado (piedosos). Por pecado se quer dizer a condição de pecaminosidade, a fonte de todos os pecados.

Então antes de tratar do pecado como algo cometido em determinado momento, precisamos entender que o adultério é uma inclinação do coração. Todo adultério começa no coração.

Leiamos Mateus 5.27-30.

A aplicação que Jesus faz da lei torna todos os homens adúlteros. Que homem nunca adulterou?

O que há no coração do homem? (Ler Mc 7.21-23).

Portanto, a fonte dos pecados é o pecado. A fonte do pecado é o coração humano.

Mas o que Jesus quis dizer em Mateus 5.27-30? Que seri preferível o pecador mutilar-se a enfrentar o juízo de Deus pelo pecado. Mas a automutilação resolve o problema? O ascetismo resolve? (Cl 2.23)

O que produz o pecado em nós? O que devemos lançar fora? O membro que nos faz tropeçar é o coração humano. Então do que precisamos? De um coração novo, ou morreremos.

Então qual a solução? A regeneração (novo nascimento). É bom lembrar a ordem correta: só podemos crer e nos arrepender, se recebermos um novo coração.

Só Deus pode nos dar um novo coração (Wilson menciona Ez 36.26,27).

Portanto, para que possamos nos submeter genuinamente à lei de Deus, precisamos de um novo coração. Quem não possui deve clamar por um (isso já será um sinal da graça de Deus).

E se alguém est´afastado de seu compromisso, deve confessar seus pecados a Deus. Deve buscarem Cristo toda justiça.

Wilson também lembra que o pecado causa confusão. E que portanto, apesar de todo alarde da abertura para falar de sexo, o que os homens tem a dizer só obscurece o assunto. Enquanto que a lei de Deus ilumina. Portanto, a desobediência resulta não só em imoralidade sexual, mas também, na imaturidade, ignorância e imbecilidade sexuais.

Qual a exigência bíblica sobre esta questão do adultério? Êxodo 20.14: “Não adulterarás”. Isso é claro.

Mas um marido que deseja que seu lar seja edificado sobre bases bíblicas, deve ser entendimento não só a natureza e exigências deste mandamento, mas também deve conhecer as passagens que oferecem a graça necessária para lidar com suas motivações. Conhecer apenas o rigor da proibição, sem compreender a força da bondade e da graça de Deus, traz desespero.

Portanto, uma das primeiras coisas que homens que querem viver piedosamente devem compreender são os motivos bíblicos para se manterem sexualmente puros.

Motivações bíblicas para que homens evitem o adultério.

A primeira motivação bíblica para manter-se sexualmente puro: o temor a Deus.

Leiamos Provérbios 22.14.
O adultério em si é uma punição.

Tendemos a pensar sobre o adultério como afastamento de Deus, quando é na verdade ser capturado por ele para que mostre seu aborrecimento pelo pecado ao julgar aquele que o cometeu. [Douglas Wilson]

Adultério é um pecado contra Deus (Gn 39.9).

Deus testemunha cada desobediência sexual (Ler: Ml 3.5; Jr 23.29).

Deus está presente no quarto onde o adultério está sendo cometido. Então se tememos a Deus, a primeira motivação para evitar o adultério deve ser o temor a Deus.

A segunda motivação bíblica para manter-se sexualmente puro: o desejo de salvação.

O que a Escritura diz sobre os adúlteros? (Ler 1 Co 6.9,10; Pv 9.18).

Não é possível, simultaneamente desejar a salvação, e desejar os pecados dos quais Deus nos salvou.

O adultério não é um “pecadinho”, a gravidade do adultério se manifesta no fato de que havia pena de morte para tal pecado (Ler: Lv 20.10). Homem e mulher deveriam morrer.

A terceira motivação bíblica para manter-se sexualmente puro: o amor de uma boa esposa.

Ao homem piedoso a Escritura ordena que se regozije sexualmente com sua esposa (Ler: Pv 5.18). O leito matrimonial é digno de honra (Hb 13.4).

Wilson menciona Cantares 8.7 (ler), para indicar que um homem piedoso deve ter desprezo por aquelas coisas que lhe são oferecidas em lugar do amor que lhe aguarda em casa.

Uma das grandes provisões que Deus criou ara guardar um homem em casa é a satisfação que experimenta na relação com sua esposa.

A quarta motivação bíblica para manter-se sexualmente puro: o temor da escravidão e estupidez moral.

Vamos ler Oseias 4.10-11.

Quando o homem cai em adultério, está caindo em uma prisão. Cai na tolice, na falta de entendimento, no embrutecimento animal. Portanto, ao evitar o adultério, o homem piedoso está preservando sua dignidade humana.

Ler Jeremias 5.7,8.

O homem não é um animal por partilhar com os animais da natureza sexual, mas quando se deixa guiar por tal natureza, ele se faz animal. O sexo não é bestial, mas sexo irracional é sempre bestial.

Ver 2 Pedro 2.12-16.

Um homem que trata o sexo como mero fenômeno biológico (com um cão), é corrompido e cego.

A quinta motivação bíblica para manter-se sexualmente puro: a reputação.

Ler Provérbios 6.32-35.

O que as pessoas vão dizer? Uma pergunta válida.

Nm 32.23: “sabei que o vosso pecado vos há de achar”.

Essa motivação considerada isoladamente é inadequada, e por si mesma, pode ser coerente com a hipocrisia deslavada. Mas junto com as outras motivações têm seu lugar. A vergonha reflete uma preocupação com a honra.

A sexta motivação bíblica para manter-se sexualmente puro: as consequências financeiras.

O homem também pode refletir sobre as consequências financeiras (Pv 6.26; 5.10).

O filho pródigo da parábola gastou tudo com prostitutas (Lc 15.30).

A imoralidade custa caro. Isto é resultado de uma combinação de fatores, mas uma consideração óbvia é que um homem enlaçado pela luxúria tem uma baixa resistência a ofertas. Quando o desejo lhe pega pela garganta, ele não tem mais condições de fazer cálculos racionais. [Douglas Wilson]

A sétima motivação bíblica para manter-se sexualmente puro: os perigos do padrão duplo.

Algo que Douglas Wilson também chama a atenção é para o padrão dupla existente na sociedade.

Em geral se espera que os homens sejam selvagens e as mulheres sexualmente castas (falsa masculinidade). Deus sempre exigiu a mesma obediência sexual de homens e mulheres.

Ele ilustra esse padrão mencionando o que se lê em Gênesis 38. O que aconteceu entre Judá e Tamar.

Wilson diz que muitos homens querem por perto mulheres volúveis e disponíveis, conquanto querem que suas irmãs ou filhas sejam castas.

Mas com o tempo os homens que financiam a vida de prostitutas verão a esposa, e filhas engrossando as estatísticas de prostituição.

Ler Oseias 4.13-14.

A oitava motivação bíblica para manter-se sexualmente puro: a preocupação com a saúde.

Aqui ele menciona Provérbios 5.7-14.

Doenças sexualmente transmissíveis são um modo de Deus castigar homens pecadores. Não é uma questão de azar, mas do juízo de Deus que aflige os imorais com consequências de seus próprios erros.

Um homem com uma doença sexualmente transmissível, está sendo visitado por um anjo de Deus (mensageiro), e faria bem em prestar atenção.

Meios bíblicos para que homens evitem o adultério (prevenção).

Primeiro meio designado por Deus, para que o homem evite o adultério: cuide de sua doutrina.

Pv 6.16: “… e pelo temor do SENHOR os homens evitam o mal.”

Medite sobre a onisciência de Deus (Jr 13.27). Pode ser um antídoto contra a concupiscência.

Segundo meio designado por Deus, para que o homem evite o adultério: cuide de seu coração.

Não pense que o adultério está lá fora. Lembre-se ele está em seu coração (Mt 15.19).

1 Pedro 2.11 (Cl 3.5).

Terceiro meio designado por Deus, para que o homem evite o adultério: ame sua esposa.

O casamento apresentado como um meio para evitar a imoralidade sexual (1 Co 7.1-3).

Sobre isso Wilson comenta que um maravilhos momento íntimo entre o casal é nada senão uma troca de benevolência.

Quarto meio designado por Deus, para que o homem evite o adultério: cuide de seus olhos.

2 Pedro 2.14: “tendo os olhos cheios de adultério e insaciáveis no pecado”

Jó falou sobre isso: Jó 31.1-4.

Ao vigiar seu olhar, diz Wilson, um homem está guardando mais do que apenas seus pensamentos. Uma mulher adúltera percebe, ele pode decidir fisgá-lo.

Provérbios 23.26-28.

Quinto meio designado por Deus, para que o homem evite o adultério: tenha controle integral.

Jeremias 5.7-8 (Ez 16.49).

Nesse caso a fartura de alimento, contribuiu para que se entregassem a imoralidade.

A disciplina em uma área se transfere para outra, e a falta de disciplina em uma área frequentemente transborda para outras. Um homem deve ser disciplinado em seu trabalho, emoções, recreações, e apetites. [Douglas Wilson]

Além de saber os motivos porque deve ser manter longe do adultério, e os meios para fazê-lo, um homem piedoso deve se conduzir com sabedoria.

Isso se faz necessário porque não existem regras para cada detalhe da vida. É preciso discernimento e sabedoria para aplicar a cda situação a sabedoria bíblica. Principalmente porque a queda no adultério geralmente não começa com agitações, mas de maneira imperceptível.

Hebreus 5.14

Mas o alimento sólido é para os adultos, para aqueles que, pela prática, têm as suas faculdades exercitadas para discernir não somente o bem, mas também o mal.

Não é preciso muito discernimento, por exemplo, para evitar ficar na frente de casa de massagens. Mas é preciso de discernimento para evitar amizades que a princípio nos parecem sem problema.

Cristãos geralmente caem em adultério depois de uma série de concessões leves e autoenganos discretos.

Então quando um homem deve se proteger contra isso? Quando não sentir que precisa de proteção contra isso. Porque a preparação só é possível quando o homem não foi enlaçado.

Depois de enlaçado o homem mente para si mesmo, e depois para os outros.

A Escritura vincula a mentira ao adultério (Jr 7.8-11; 23.14).

Homens adúlters são confusos. A confusão procede das mentiras, e avança para outras mentiras.

Às vezes o homem dirá que deseja apartar-se da mentira por meio do adultério. Ele dirá: é melhor do que a hipocrisia, e uma vida de mentiras. E quando acredita na própria mentira parecerá sincero em sua própria mentira. Mas adúlteros mentem, homens fiéis dizem a verdade.

Jeremias 29.23.

Com que se parece o engano no seu início? No fim se revela como uma obra da carne (Gl 5.19).

Douglas Wilson chama a atenção para o fato que na maioria das vezes as tentações sexuais de um homem começam com uma tentação que não é sexual. Para ilustrar isso ele menciona Hb 13.4,5.

Um homem descontente, é sempre um homem sexualmente vunerável. Outra mulher pode representar uma via de escape, ou uma recompensa.

O descontentamento é o laço, e o sexo é geralmente a isca. A morte a armadilha. [Douglas Wilson]

O homem deve tomar cuidado com o descontentamento (forma como a esposa cozinha,como ela disciplina os filhos, com o peso dela, ou com o salário dele, com o chefe, etc).

Um outro perigo são as amizades aparentemente inocentes.

Um homem deve resolver perante Deus que não terá nenhuma amizade individual (ou reação de trabalho próxima) com mulheres que não sejam sua ãe, avó, irmã ou esposa. [Douglas Wilson]

Quem não deseja cair de um despenhadeiro, não deve andar nas pontas dos pés sobre suas margens.

É bom destacar que essa não é uma questão da lei de Deus, mas de discernimento. Na bíblia não temos a proibição de um homem ficar sozinho com um mulher que não seja sua esposa (Jesus e a samaritana).

Porém, um homem com discernimento evitará tal coisa (levando em conta as exceções).

Estamos falando de uma política pessoal – manter uma distância razoável de outras mulheres (encontro de negócios a sós, passeios, visitas, etc).

Respostas para algumas desculpas:

  • Um homem desconhece até os seus motivos;
  • Um homem não conhece os motivos de uma mulher;
  • O que hoje é tranquilo, amanhã pode não ser por conta de mudanças e fraquezas;
  • A mulher não ser atraente para ele, mas ele pode ser para ela;
  • Conselho a pastores: 1 Tm 5.1,2.

Alguém que deseja ter um relacionamento próximo e íntimo com uma mulher sem que haja sexo é como alguém que só quer enrolar uma face do carpete, deixando a outro do jeito que era. [Douglas Wilson]

Evitar o adultério é uma expressão de amor: Rm 13.8-10.

Amor para com sua esposa, amor para com o próximo e a esposa dele.


Edição de áudio: Abner F. B. Batista.

Pr. Elienai B. Batista

Ministro da Palavra e dos Sacramentos atualmente trabalhando em um projeto missionário ligado ao Centro de Literatura Reformada (CLIRE), e na plantação de uma Igreja Reformada em Paulista – PE.

Related posts
Leave a reply