Sobre

Este site tem como objetivo oferecer recursos, principalmente em áudio, sobre a fé, a cosmovisão e a piedade reformada.

Recent tags

Dia do Senhor 08 – 2 Coríntios 13.13 [Pregação]

Dia do Senhor 08 – 2 Coríntios 13.13 [Pregação]

Amada Igreja do Senhor Jesus Cristo,

Como aprendemos no Dia do Senhor 07, um cristão é alguém convicto de que aquilo que Deus revelou em Sua Palavra, é a verdade. Um cristão verdadeiro é alguém que acredita em tudo aquilo que está prometido no evangelho, revelado no A.T. e no N.T..

Portanto, a fé cristã envolve um conteúdo, cuja fonte é a Escritura. Mas em resumo, o que nos ensina a Escritura? O que é essencial à fé cristã? No que um cristão tem de acreditar?

Sabemos que no decorrer da História da Igreja, houve muitos homens que distorceram o ensino das Escrituras.

Por isso, a Igreja de Cristo julgou ser importante ter documentos que servissem como um resumo da fé cristã de tal forma que os verdadeiros cristãos pudessem ser identificados. Assim chegamos aos grandes credos, a saber: o Credo Apostólico, o Credo Niceno e o Credo Atanasiano.

Nosso catecismo procura explicar o mais simples desses credos, o Credo Apostólico. E a primeira coisa para a qual o catecismo nos chama a atenção é para a estrutura deste credo. No Credo Apostólico confessamos: Creio em Deus Pai, creio em Jesus Cristo, creio no Espírito Santo. Encontramos no Credo Apostólico, três Pessoas para as quais dirigimos nossa fé.

Por isso, antes de explicar cada um dos 12 artigos do Credo Apostólico, que tem essa estrutura trinitariana, o catecismo procura nos instruir sobre a Trindade. Como vocês podem notar a única pergunta e resposta que trata diretamente sobre esta doutrina é a pergunta e resposta 25. Mas nela não temos uma grande explicação sobre a Trindade (nem mesmo esse termo é mencionado).

O Catecismo de Heidelberg foi escrito para a instrução dos jovens, e diante desse assunto não mais disputado na época da Reforma, mas ao mesmo tempo tão complexo, a resposta é simples:

Falamos de três Pessoas “Porque o próprio Deus se revelou de tal maneira em Sua Palavra que essas três Pessoas distintas são o único, verdadeiro e eterno Deus.”

Duas coisas se destacam nessa resposta. A primeira delas é que Deus se revelou como o único, verdadeiro e eterno Deus. A esse respeito logo lembramos do que lemos em Isaías 44.6: “Assim diz o SENHOR, Rei de Israel, seu Redentor, o SENHOR dos Exércitos: Eu sou o primeiro e eu sou o último, e além de mim não há Deus”. E no final do v. 8, encontramos a pergunta: “Há outro Deus além de mim?” A resposta do próprio Deus é enfática: “Não, não há outra Rocha que eu conheça”.

Yahweh, o Deus da aliança reafirma Sua singularidade e unicidade. Em um contexto no qual Ele está encorajando Seu povo e mostrando a inutilidade dos ídolos, Ele se apresenta como o Deus único, verdadeiro e eterno.

E como tal, Ele promete sua bênção. Mas mesmo aqui onde há uma ênfase sobre o Deus único, lemos sobre a promessa do Espírito Santo, e o fato de que o SENHOR é Redentor de Seu povo, o que lendo o restante das Escrituras sabemos que é algo que tem seu pleno cumprimento em Jesus Cristo.

Então temos por um lado, o ensino de que só existe um Deus. Por isso, reafirmamos, não cremos em três deuses. Mas por outro lado, também temos o testemunho das Escrituras de que nesse único Deus há três pessoas distintas. Usamos o termo “distintas” para não confundirmos as pessoas, como tentaram muitos hereges no passado. Por isso, confessamos: uma é a pessoa do Pai, outra a pessoa do Filho e outra a pessoa do Espírito Santo.

O texto que lemos nessa manhã, em 2 Co 13.13, é um dos textos bíblicos onde encontramos essas três Pessoas da divindade. Aqui, temos as palavras finais do apóstolo Paulo em sua Segunda Carta aos Coríntios. Esse texto é uma bênção final. Algo comum nas epístolas do N.T., mas aqui encontramos essa fórmula trinitariana.

Lemos aqui sobre o Pai, o Filho e o Espírito Santo. Portanto, temos aqui a bênção do Deus Triúno sobre Sua Igreja. Podemos dizer, bênção prometida em Isaías 44, e aqui, já disponível para o povo de Deus.

Em primeiro lugar temos a “graça do Senhor Jesus Cristo”.

Não sabemos porque Paulo em uma forma trinitária começou com o Filho. Mas isso, serve para nos mostrar algo importante quando estamos considerando o ensino bíblico sobre a Trindade, isto é, que nenhuma das Pessoas é mais importante ou mais poderosa que outra. Normalmente falamos na seguinte ordem: Pai, Filho e Espírito Santo, porque a Escritura o faz, por exemplo, na forma do batismo. Essa sequência tem a ver com a economia, ou administração da Salvação. Tem a ver com a forma como Deus se revelou. Mas “o Pai e o Filho e o Espírito Santo possuem uma só divindade, igual glória e igual majestade eterna.”

Aqui em nosso texto, Paulo liga o Senhor Jesus Cristo, o Filho de Deus com a graça. A benção aqui é receber a graça do Senhor Jesus Cristo.

A graça refere-se àquilo que nosso Senhor Jesus Cristo realizou para nos salvar. Isso é resumido nesta mesma carta, no cap. 8.9: “pois conheceis a graça de nosso Senhor Jesus Cristo, que, sendo rico, se fez pobre por amor de vós, para que, pela sua pobreza, vos tornásseis ricos.”

A graça de Cristo é uma referência à sua obra redentora como um todo, e aos benefícios que continuamente dele recebemos.

O que Jesus fez por nós é uma demostração de Sua graça. O fato que o Filho de Deus assumiu a natureza humana, padeceu, foi crucificado, morto, sepultado, desceu ao inferno e ressurgiu para nossa justificação, aponta para Sua graça maravilhosa. Ele fez e nos deu aquilo que nós não merecíamos. É esta graça que veio ao nosso encontro, abriu nossos olhos e deu-nos nova vida.

Mas agora mesmo o que seria de nossa vida sem esta graça? Se não fosse esta graça não poderíamos estar aqui, não poderíamos dar crédito a pregação, não poderíamos amar a Deus e uns aos outros, não poderíamos desfrutar desta comunhão que temos no Espírito Santo.

Portanto, a salvação é uma questão da graça, do começo ao fim. Recebemos vida e essa vida se mantém por causa da graça de Cristo.

Hoje começa mais uma semana, você pode se perguntar: Como poderei estar de pé? Como poderei servir a Deus em um mundo em trevas? Como poderei suportar tribulações em submissão à Providência de Deus? Como poderei vencer o pecado e viver em gratidão? Se dependermos de nossas forças, não podemos estar de pé.

Mas aqui está a resposta, a Graça de Cristo está sobre as nossas vidas. Ele nos concede essa bênção. Então você pode seguir, não porque você é forte ou capaz, mas por causa da graça de Cristo. Por causa dessa graça a boa obra foi iniciada, por causa dessa mesma graça essa obra será concluída. Então a graça de Cristo nos capacita a viver pela graça, e viver pela graça é viver em Cristo e para Cristo.

Em segundo lugar temos “o amor de Deus”.

A bênção aqui é receber mais e mais do amor de Deus. Esse amor eterno, do qual somos alvo, é a razão porque Deus nos deu seu Filho. A encarnação, o sofrimento, a morte e a ressurreição de Cristo, são uma evidência clara deste amor.

Esse amor nos traz uma garantia, que encontramos em Rm 8.32: “Aquele que não poupou o seu próprio Filho, antes, por todos nós o entregou, porventura, não nos dará graciosamente com ele todas as coisas?

Certamente que sim. Deus nos ama, a prova disso é Cristo como nosso Redentor. Então podemos estar certos que se desfrutamos da graça de Cristo, é porque somos alvo do amor de Deus.

E o amor de Deus é eterno. Não sofre alterações. Não diminui com nossas fraquezas, não enfraquece com o tempo, mas é tão imutável como o próprio Deus.

Essa é a bênção, o amor de Deus sobre nós é garantia de que Ele fará com que todas as coisas cooperem para o nosso bem.

Você foi alcançado pela graça de Cristo? Então lembre-se, que inseparavelmente, ligado a esta graça está o fato que Deus lhe ama. E nada pode separar você do amor de Deus. Ele está cuidando de sua vida. Ele é seu Pai bondoso. Conhece suas lutas, suas fraquezas, suas limitações, suas lágrimas, seus desejos. Ele ouve suas orações, Ele cumpre a vontade dEle em sua vida. Ele ama você de tal forma que nenhuma outra criatura pode lhe amar. O amor dEle por você é perfeito.

Como devemos responder a esse amor? As Escrituras dizem que o Espírito Santo derrama esse amor em nossos corações (Rm 5.5). Para quê? Não só para dar-nos a certeza do amor de Deus, mas para capacitar-nos a amar a Deus e ao próximo. Então recebemos essa bênção, o amor de Deus, e isso deve nos encorajar a amar a Deus e ao próximo.

Em terceiro lugar temos “a comunhão do Espírito Santo”.

A palavra “comunhão”, está relacionada em ter algo em comum, em compartilhar. O que envolve um relacionamento. Mas a pergunta é: no que consiste a bênção aqui? Em desfrutar de comunhão com o Espírito Santo ou desfrutar da comunhão que o Espírito Santo promove?

Creio que não precisamos fazer uma escolha. A comunhão do Espírito Santo, envolve tanto nossa comunhão com Ele, como o desfrutar da comunhão promovida por Ele. Assim a bênção consiste em desfrutarmos dos frutos e bênçãos da salvação que o Espírito Santo nos concede. E aqui mais uma vez, temos de olhar para a cruz, porque esses frutos e bênçãos da salvação só nos são possíveis por causa da obra graciosa de Cristo a nosso favor, só chegam até nós por causa do amor de Deus por nós.

Temos comunhão com o Espírito Santo, Ele habita em nós. Nós não temos nada a compartilhar com Ele. Só podemos abrir nossas mãos vazias, e suplicarmos por mais de seu agir em nossas vidas.

Mas mesmo isso, já é o agir dEle em nós. Ele nos guia em toda verdade, Ele nos guia pelo caminho de santificação, ele nos comunica as bênçãos da salvação que Cristo conquistou na cruz, Ele nos consola e anima. Ele compartilha conosco a graça de Cristo e o amor de Deus.

Mas também Ele nos concede que desfrutemos de comunhão uns com os outros. A comunhão que temos com o Espírito Santo nos leva a compartilhar com os demais membros da igreja de Cristo. Recebemos os dons que o Espírito Santo nos concede para usarmos na comunhão dos santos.

Portanto, reter os dons que temos recebido, é um ultraje à graça, ao amor e à comunhão que recebemos do Deus Triúno.

Por fim, amados irmãos, essa bênção trinitariana termina com a expressão “sejam com todos vós”. “Sejam” indica todas essas bençãos.

Mas para quem são? “Todos vós”, isto é, a igreja de Cristo, aqueles que professam sua fé no único, verdadeiro e eterno Deus, em quem há três Pessoas. Essas bênçãos do Deus Triúno são para os que creem no Deus Triúno.

Isso nos mostra a importância dessa doutrina. Alguém pode perguntar: Será que realmente precisamos acreditar que essas três Pessoas são o único, verdadeiro e eterno Deus? É possível ser um cristão sem acreditar nisso?

A Igreja de Cristo tem entendido que não. Prova disso é o que encontramos no início do Credo Atanasiano: “Qualquer um que quer ser salvo, antes de tudo deve seguir a fé universal, aquele que não a guardar integral e intata, sem dúvida perecerá eternamente.” E Depois lemos na conclusão do credo: “Esta é a fé universal: quem não crer nela fielmente e firmemente, não poderá ser salvo.

Mas que fé universal é esta? O Credo Niceno diz: “A fé universal é esta: que adoramos o único Deus na trindade e a trindade na unidade, não confundindo as pessoas, nem separando o ser. Pois uma é a pessoa do Pai, outra a pessoa do Filho e outra a do Espírito Santo; mas o Pai e o Filho e o Espírito Santo possuem uma só divindade, igual glória e igual majestade eterna”.

Amados, como confessamos no artigo 9, da Confissão Belga, essa doutrina ultrapassa o entendimento humano, não somos capazes de entendê-la completamente, e nem devemos tentar descobrir aquilo que Deus não nos revelou.

Mas alicerçados na Palavra de Deus, confessamos o único, verdadeiro e eterno Deus em quem há três Pessoas distintas. É a bênção do Deus Triúno que levamos sobre nós quando o culto termina.

Será que isso quer dizer algo? Sim, que aqueles que creem e se reúnem para adorar ao Deus Triúno, saem do culto para o serviço a Deus durante a semana, debaixo de Sua benção. O próprio Deus é quem nos capacita a viver o evangelho, a servi-lo com alegria. Por meio da pregação de Sua Palavra e pela administração dos sacramentos Ele nos concede de Sua graça, de Seu amor e de Sua Comunhão.

Graça, amor e comunhão do único Deus que é Pai, Filho e Espírito Santo. Experimentamos dessas bênçãos do Deus Triúno todos os dias. Por isso no artigo 9 da Confissão Belga, confessamos que sabemos a respeito dessa doutrina (Trindade) não somente pelo testemunho das Escrituras, mas também pelas obras de cada uma das três Pessoas que percebemos em nós mesmos.

Você pode perceber essas obras em sua vida? Você tem experimentado a graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a comunhão do Espírito Santo? Aqui está a verdadeira bênção. Tudo que você precisa, está no Deus único, verdadeiro e eterno que se revelou como Pai, Filho e Espírito Santo. E o que você recebe do Pai, do Filho e do Espírito Santo, não pode tirado de você. Então quando o mundo, mentindo lhe oferecer felicidade em outras coisas ou pessoas, lembre-se você só pode ser feliz sob as bênçãos do Deus Triúno.

Então amados irmãos, respondamos a esta bênção, com gratidão, vivendo pela graça em amor e comunhão com o Deus Triúno e com Sua Igreja.

Amém!

Local e data

Sermão pregado à Igreja Reformada em Paulista no culto matutino do dia 19 de fevereiro de 2017.

Ficha Técnica

Conteúdo e voz: Elienai B. Batista.
Edição de áudio: Abner F. B. Batista.

Dúvidas

Caso você tenha alguma dúvida sobre a pregação, pode usar o nosso grupo no Facebook para fazer sua pergunta. Porém, só responderei quando me for possível. Para isso, clique aqui e peça acesso ao grupo, escreva sua pergunta e link meu nome dentro do grupo. Quando puder responderei.

Dia do SenhorTextoTítuloDuraçãoTamanhoData
DS 01Sl 16O SENHOR é refúgio, na vida e na morte para aqueles que nEle confiam00:54:2237,6 MB25/09/2017
DS 021 Jo 1.5-10O conhecimento de nossos pecados00:29:4527,5 MB02/10/2017
DS 03Sl 51.1-6Um pecador arrependido confessa seus pecados e a origem de sua misériaEm breve!
DS 04Sl 5.4-7A Justiça e a Misericórdia de Deus00:28:2726,3 MB09/10/2017
DS 05Sl 130Ao SENHOR pertence o perdão e a redençãoEm breve!
DS 061 Co 1.30,31O que nosso Mediador, que é homem justo e Deus verdadeiro, é para nósEm breve!
DS 071 Co 1.18-25Aprouve a Deus salvar os que creem pela loucura da pregaçãoEm breve!
DS 082 Co 13.13As Bênçãos do Deus Triúno00:35:1220,4 MB21/10/2017
DS 09Sl 33.1-9O Deus Criador do céu e da terra, deve ser louvado e temidoEm breve!
DS 10Sl 33.10-22O Deus Criador é também ProvedorEm breve!
DS 11-----Não preguei neste dia do Senhor---------------
DS 121 Pe 2.9,10Como Cristãos Temos Privilégios e ResponsabilidadesEm breve!
DS 131 Co 6.19,20O Senhorio de CristoEm breve!
DS 14Hb 2.10-13O Senhor Jesus Cristo Identificou-se Conosco para ser o Autor na nossa salvaçãoEm breve!
DS 15Hb 2.14-18A Obra de Cristo a Nosso FavorEm breve!
DS 16Jo 5.24Em Cristo, passamos da morte para a vidaEm breve!
DS 17-----Não preguei neste dia do Senhor---------------
DS 18At 1.1-11Cristo Subiu ao CéuEm breve!
DS 192 Tm 4.1Quando o Senhor Jesus Cristo voltar, Ele julgará os vivos e os mortosEm breve!
DS 20-----Não preguei neste dia do Senhor---------------
DS 21At 2.42-47Uma Igreja cheia do Espírito SantoEm breve!
DS 22-----Não preguei neste dia do Senhor---------------
DS 23Rm 5.1-5Os Frutos da Justificação Pela FéEm breve!
DS 24-----Não preguei neste dia do Senhor----------
DS 25-----Não preguei neste dia do Senhor---------------
DS 26-----Não preguei neste dia do Senhor---------------
DS 27At 22.12-16Sinal e Realidade no BatismoEm breve!
DS 281 Co 11.23-26A Instituição da Ceia do SenhorEm breve!
DS 29-----Não preguei neste dia do Senhor---------------
DS 30Hb 1.1-4A Presença de Cristo na Santa CeiaEm breve!
DS 31Jo 20.19-23As Chaves do ReinoEm breve!
DS 32-----Não preguei neste dia do Senhor [férias]---------------
DS 33-----Não preguei neste dia do Senhor [férias]---------------
DS 34-----Não preguei neste dia do Senhor [férias]---------------
DS 35-----Não preguei neste dia do Senhor [férias]---------------
DS 36Êx 20.7Não tomarás o nome do SENHOR, teu Deus, em vão00:42:3819,8 MB07/09/2017
DS 37Dt 10.20Só pelo SENHOR jurarásEm breve!
DS 38-----Não preguei neste dia do Senhor---------------
DS 39Êx 20.12Honra teu pai e tua mãe [Quinto Mandamento]01:00:4735,1 MB28/09/2017
DS 40Mt 5.21,22Não matarás [Sexto Mandamento00:37:4226,2 MB21/09/2017
DS 41Mt 5.27-30Não Adulterarás [Sétimo Mandamento]00:46:0731,904/10/2017
DS 42Ef 4.28Não Furtarás [Oitavo Mandamento]00:51:5324,0 MB10/10/2017
Compartilhe!
Pr. Elienai B. Batista

Elienai B. Batista

Verbi Dei Minister

Ministro da Palavra e dos Sacramentos atualmente trabalhando em um projeto missionário ligado ao Centro de Literatura Reformada (CLIRE), e na plantação de uma Igreja Reformada em Paulista – PE.

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 14 outros assinantes

Pr. Elienai B. Batista

Ministro da Palavra e dos Sacramentos atualmente trabalhando em um projeto missionário ligado ao Centro de Literatura Reformada (CLIRE), e na plantação de uma Igreja Reformada em Paulista – PE.

Related posts
Leave a reply