Sobre

Este site tem como objetivo oferecer recursos, principalmente em áudio, sobre a fé, a cosmovisão e a piedade reformada.

Recent tags

Dia do Senhor 41 – Mateus 5.27-30 [Pregação]

teste
Dia do Senhor 41 – Mateus 5.27-30 [Pregação]

Amada igreja de Jesus Cristo,

Conforme o testemunho das Escrituras ninguém pode tornar-se justo diante de Deus pelas obras da lei. E por isso, a Escritura proclama em alto som: “Porque pela graça sois salvos, mediante a fé, e isto não vem de vós; é dom de Deus”.

No entanto, esta salvação que é dom de Deus, trás consigo uma nova vida, que tem sua origem no Filho de Deus e que é mantida pelo Espírito Vivificador. Nessa nova vida, não só nosso relacionamento com Deus é transformado, mas também nosso relacionamento com o próximo, inclusive um de nossos relacionamentos mais íntimos – o casamento. Portanto, na nova vida que temos em Cristo, somos chamados a responder em gratidão com obediência ao Sétimo Mandamento.

Por isso, nesta manhã, nos compete voltar a nossa atenção ao Sétimo Mandamento, a fim de crescer na compreensão de seu significado e abrangência.

Devemos nos assentar aos pés de Jesus Cristo e ouvir suas Palavras. Ele ensinou sobre este assunto no chamado Sermão do Monte (Mt 5-7). Aqui, como temos visto, Jesus procura mostrar que a justiça que se requer em seu reino, deve ser maior do que a justiça dos escribas e fariseus. E por isso mesmo, Jesus confronta a interpretação legalista dos fariseus, com o verdadeiro significado dos Mandamentos.

Deste modo, quando Jesus diz: “Ouvistes o que foi dito”, ele não se refere propriamente à Lei de Deus promulgada por Moisés, mas à interpretação dada pelos antigos rabinos judeus, e seguida pelos fariseus e escribas de seu tempo.

Mas qual o problema com a interpretação dos fariseus? O Sétimo Mandamento diz: “Não cometerás adultério”, e é o que eles diziam. No entanto, o problema é que restringiam a abrangência do Mandamento à questão física. Para os fariseus e escribas, o Sétimo Mandamento, só era violado quando uma pessoa casada se envolvia fisicamente com alguém que não era seu esposo ou esposa.

Mas, de Jesus ouvimos: “Eu, porém, vos digo”. E mais uma vez, suas palavras não ficam arranhando a superfície da questão, mas vão ao seu cerne – o coração. Ouçam o que Ele diz: “qualquer que olhar para uma mulher com intenção impura, no coração, já adulterou com ela”.

Jesus se refere ao “olhar”, será então que o problema, são os nossos olhos? É mais do que isso. O termo traduzido em nossas Bíblias por “intenção impura”, é literalmente “cobiça” ou “desejo ardente”. Este termo nem sempre tem na Bíblia o sentido negativo, mas neste caso, significa “olhar com o desejo de possuir”. Isso liga o Sétimo Mandamento com o Décimo: “Não cobiçarás a mulher do teu próximo”. Então, não é simplesmente uma questão dos olhos, mas do coração.

Também devemos notar que alguns estudiosos ressaltam, por causa da forma como a frase está no grego, que o texto se refere a um homem que está olhando para uma mulher com o intuito de instigá-la a cobiça. Assim, se sua intenção de instigar à cobiça a mulher para quem olha, encontra sucesso, tal homem torna tal mulher uma adúltera.

De qualquer forma, Jesus está alertando para o fato, de que este pecado do adultério, começa no coração, com desejo e intenção.

A ideia é de um homem que observa, admira, examina uma mulher com um coração cobiçoso, desejando usá-la para sua satisfação. E pode ser que tenha a intenção de despertar nela a mesma cobiça. Portanto, mesmo depois que ela não está diante de seus olhos, o pecado continua, porque o desejo continua. Um desejo é um desejo destituído de amor. Um desejo que surge de um coração egoísta. Um desejo que se esconde que se torna tão discreto, que outros não o percebem. Mas se a cobiça está, o adultério também.

E se a mulher cobiçada, responde mesmo que só em seu coração, ou apenas com um olhar, ao olhar cobiçoso do homem, e se ela até se veste de forma a provocar este olhar, então ela também adultera em seu coração. Então muito facilmente podemos fazer este joguinho de olhares e brincadeiras, que escondem, quase revelando, as intenções do coração.

Assim como o ódio no coração é homicídio, a cobiça, o mal desejo no coração, também é adultério. E este desejo, mesmo que não tenha consequências sociais, mesmo que ninguém descubra, também nos torna dignos do fogo do inferno.

Amados irmãos, com a Palavra de Deus aprendemos que ninguém consegue guardar perfeitamente a Lei de Deus. O problema de todo ser humano se encontra no coração. O próprio Senhor Jesus disse conforme lemos em Mt 15.19: “Porque do coração procedem maus desígnios, homicídios, adultérios, prostituição, furtos, falsos testemunhos, blasfêmias.

Portanto, este pecado não está restrito aos homens e tão pouco só as pessoas casadas. A imoralidade, a infidelidade, a cobiça e tantos outros pecados procedem do coração.

Aqui devemos lembrar, que cada Mandamento lida com uma categoria de pecados. O Sétimo Mandamento, lida com os pecados da imoralidade sexual.

Obviamente ele lida com a infidelidade conjugal. Se alguém casado tem relação sexual com outra pessoa, isso é adultério, é violação do Sétimo Mandamento. E como nos ensina Cristo, mesmo que isso só ocorra no coração, é adultério. O adultério é uma infidelidade, que rompe os laços da aliança no casamento. O adultério faz com que a confiança seja perdida.

Assim como o Sexto Mandamento, visa proteger a vida, o Nono a reputação do meu próximo, o Sétimo Mandamento visa proteger o casamento. Para isso, se requer de cada homem, que seja marido de uma só mulher. Que guarde seu coração e volte seus olhos para uma única mulher. E que a mulher seja esposa de um só marido, não só no que diz respeito a desejos sexuais, mas também nas questões emocionais. Assim sendo, podemos dizer que o Sétimo Mandamento exige do esposo e da esposa que amem um ao outro de forma sincera, fiel e constante. E que encontrem satisfação para suas necessidades emocionais e sexuais um no outro. Para guardarmos o Sétimo Mandamento, é preciso não só evitar certas coisas, mas buscar outras. Isso quer dizer que o marido deve amar sua esposa como Cristo ama Sua Igreja, e que deve cuidar, proteger e estar disposto a se sacrificar por ela. E a esposa por sua vez, deve submeter-se ao seu marido como a Igreja se submete a Cristo.

Mas o sétimo mandamento não se aplica somente a pessoas casadas. Pessoas solteiras também são chamadas a guardar o Sétimo Mandamento. É um chamado para que evitem toda imoralidade sexual. Para que mantenham a pureza sexual. Isso tem relação com o namoro, com a forma como uma pessoa se veste, com aquilo que assiste, com os sites que visita, com os livros que lê, com as brincadeiras que faz. No mundo quase tudo contém um apela sexual, desde propagando de cerveja ás de perfumes para mulheres. No mundo a nudez é glorificada, e as pessoas entram em relacionamentos buscando sua satisfação.

O mundo está cheio de imoralidade, e nosso coração é inclinado a imoralidade. Então temos, casados e solteiros uma constante batalha para travar.

E aqui mais uma vez, precisamos admitir, que se nos fosse exigido obediência somente deste mandamento, mesmo assim, seríamos transgressores da lei, dignos do inferno. Por isso, devemos encher nosso coração de gratidão, porque Cristo nos concedeu perdão. Ele tomou sobre si nossos olhares, nossos maus desejos do nosso coração, as nossas palavras e brincadeiras imorais. Ele sofreu a pena por todo nosso pecado contra o Sétimo Mandamento.

E agora que estamos nEle, temos esse chamado a responder com gratidão. Não só vivendo em fidelidade e pureza, mas amando nosso cônjuge. Temos o chamado para confirmarmos também em nosso casamento nosso total comprometimento com Jesus guardando nosso coração, reconhecendo o Senhorio dEle também neste relacionamento.

E vocês amados irmãos solteiros e solteiras, vocês são chamados a viverem de maneira pura, guardando o coração.

Mas como podemos lidar com as tentações contra o Sétimo Mandamento? Encontramos a resposta em 5.29,30 (ler).

Jesus fala do olho direito e da mão direita, ele fala de arrancar, cortar, e lançar para longe. O que isso quer dizer? Obviamente essas palavras não devem ser entendidas literalmente como fizeram alguns na história da Igreja.

Como ouvimos, o problema é o coração. Então cortar uma mão, ou arrancar um olho não nos livra deste pecado. Eu sou uma prova disso, pois como vocês sabem, meu olho esquerdo foi arrancado, mas isso não me livrou de pecar contra o Sétimo Mandamento.

Então o que Jesus quer dizer com essas palavras? Tanto a respeito do olho quanto da mão, Jesus diz: “te faz tropeçar”. O verbo usado por Jesus está relacionado com um substantivo que às vezes é traduzido por “escândalo”. Esse termo se referia a parte que acionava uma armadilha, o gatilho que acionado fechava a armadilha e prendia a presa.

Dai o termo veio a significar aquilo faz tropeçar, aquilo obstrui o caminho, aquilo que faz pecar. Então mão e olho, aqui se referem a qualquer coisa que nos leve a pecar contra o Sétimo Mandamento. Jesus diz que tal coisa, pessoa ou situação deve ser cortada, arrancada drasticamente.

Note que ele se refere ao olho direito e à mão direita. A ideia é que são geralmente os que damos mais valor. Se você for destro, e tivesse de perder uma mão, preferiria perder a esquerda, pois sendo destro, a direita tem mais valor para você.

Então o ensino é que mesmo sendo uma coisa de grande valor para nós, algo que nos seja precioso, algo que podemos julgar importante e essencial, se isso nos fará tropeçar, se será para nós o gatilho que nos deixará presos em uma armadilha, então deve ser cortado, e lançado para longe, ou seja afastado de nós.

Qual a razão? Jesus diz que quebrar o Sétimo Mandamento nos torna merecedores do inferno. E aqui mais uma vez a palavra usada é aquela que tem relação com o local, fora de Jerusalém, onde o lixo era jogado, e o fogo não se apagava.

É isso que merece, nosso pecado. Apenas um olhar cobiçoso, merece o sofrimento que nunca termina. Diante disso, a mensagem é a seguinte, nenhuma coisa, pessoa ou situação, que nos afasta de Cristo pode ser considerada tão preciosa, que não devemos afastá-la de nossa vida.

E apesar das palavras de Jesus não serem literais, não devemos deixar de sentir o peso dessas palavras. Se necessário fosse perder um olho ou uma mão, para estar com Cristo eternamente, não estaríamos dispostos a perder?

Jesus nos ensina que nossa atitude em relação àquilo que nos faz tropeçar deve ser drástica, radical. Se você fica brincando com uma fonte de tentação, pode tropeçar e caindo na armadilha.

E mesmo que você se arrependa, pode ser que terá de sofrer as consequências de seu pecado pelo resto de sua vida. Por isso, devemos ser radicais.

Me permitam ilustrar isso: Um homem cristão, casado, trabalha onde há muitas mulheres. E de repente uma delas procura amizade. Nos intervalos eles conversam, vão se tornando íntimos, e então ela começa a jogar indiretas para seduzi-lo. O que tal homem deve fazer? Que medida drástica precisa tomar? Talvez ele possa dizer claramente a ela, eu não posso seguir por esse caminho, e foi um erro essa aproximação e a partir de hoje vou tratar você como trato as demais colegas de trabalho. E é provável que esta mulher vai dizer coisas desagradáveis, vai caluniá-lo e ficar com ódio por ter sido rejeitada. Mas veja: é melhor que se perca esta amizade, do que ser lançado no inferno. E se isso não resolve, talvez o homem precisará tomar uma medida ainda mais drástica. Sair deste emprego que coloca sua alma sob perigo.

Vocês podem aplicar esse princípio ensinado por Cristo a muitas outras situações. Por exemplo, pode ser que a internet em sua casa, esteja colocando sua família em perigo. Seus filhos podem estar acessando imoralidade, ou você mesmo está sendo tentando nesta área. O que fazer? Talvez possa dizer que a internet é algo muito importante para você, algo que lhe é precioso. Mas o que Jesus ensina? É melhor ficar sem internet do que ser lançado no fogo do inferno.

Cada um de nós pode ter fraquezas específicas. E devemos cortar aquilo que pode nos levar a ceder. Pode ser alguém no trabalho ou na vizinhança, a internet, o celular, a TV por assinatura, alguns livros ou revistas, certas amizades ou certos ambientes.

Seja o que for, se nos faz tropeçar, se nos afasta de Cristo, se nos faz pecar contra quem juramos fidelidade, se se interpõem para destruir nosso relacionamento mais íntimo – o casamento, então deve ser lançado para longe de forma imediata e decisiva. Não brinque com o que pode destruir sua vida.

Amados irmãos, Cristo nos ordena guardar nosso coração. Nos ordena nos desvencilharmos de tudo que pode nos servir de tropeço, de tudo que pode destruir nosso casamento e família. Cristo nos ordena a viver de forma pura, lembrando que nossos corpos são templo do Espírito Santo.

Homens tenhamos cuidado com o coração para que nosso olhar não seja cobiçoso. Mulheres tenham cuidado com seu coração, para que não se vistam de forma a provocar cobiça.

Jovens se vocês pretendem casar, guardem seu corpo e seu coração para aquele rapaz ou moça, que um dia se tornará seu cônjuge. Vocês pertencem a Deus, tem o sinal dele em suas vidas, então tenham cuidado com aquilo que o mundo chama de namoro.

Amados irmãos, que nosso bondoso Salvador nos ajude para que neste mundo que reduz todas as coisas à sensualidade, possamos brilhar tais como luzeiros, resguardando o que casamento que temos, ou para o que teremos. Ou nos resguardando para o Senhor.

Que o Senhor nos ajude a guardarmos o Sétimo Mandamento, e que nos conceda a graça e a coragem para cortarmos qualquer coisa que queira nos fazer pecar contra o Sétimo Mandamento. Que Ele nos ajude para que os casados guardem seus casamentos, e encontrem satisfação emocional, espiritual e física em seu cônjuge, e que os solteiros sejam capazes de se manterem puros para seus futuros cônjuges ou se tiverem o chamado para permanecerem solteiros, que se guardem para o Senhor.

Amém!

Local e data

Sermão pregado à Igreja Reformada em Paulista no culto matutino do dia 1 de outubro de 2017.

Ficha Técnica

Conteúdo e voz: Elienai B. Batista.
Edição de áudio: Abner F. B. Batista.

Dúvidas

Caso você tenha alguma dúvida sobre a pregação, pode usar o nosso grupo no Facebook para fazer sua pergunta. Porém, só responderei quando me for possível. Para isso, clique aqui e peça acesso ao grupo, escreva sua pergunta e link meu nome dentro do grupo. Quando puder responderei.

Dia do SenhorTextoTítuloDuraçãoTamanhoData
DS 01Sl 16O SENHOR é refúgio, na vida e na morte para aqueles que nEle confiam00:54:2237,6 MB25/09/2017
DS 021 Jo 1.5-10O conhecimento de nossos pecados00:29:4527,5 MB02/10/2017
DS 03Sl 51.1-6Um pecador arrependido confessa seus pecados e a origem de sua misériaEm breve!
DS 04Sl 5.4-7A Justiça e a Misericórdia de Deus00:28:2726,3 MB09/10/2017
DS 05Sl 130Ao SENHOR pertence o perdão e a redençãoEm breve!
DS 061 Co 1.30,31O que nosso Mediador, que é homem justo e Deus verdadeiro, é para nósEm breve!
DS 071 Co 1.18-25Aprouve a Deus salvar os que creem pela loucura da pregaçãoEm breve!
DS 082 Co 13.13As Bênçãos do Deus Triúno00:35:1220,4 MB21/10/2017
DS 09Sl 33.1-9O Deus Criador do céu e da terra, deve ser louvado e temidoEm breve!
DS 10Sl 33.10-22O Deus Criador é também ProvedorEm breve!
DS 11-----Não preguei neste dia do Senhor---------------
DS 121 Pe 2.9,10Como Cristãos Temos Privilégios e ResponsabilidadesEm breve!
DS 131 Co 6.19,20O Senhorio de CristoEm breve!
DS 14Hb 2.10-13O Senhor Jesus Cristo Identificou-se Conosco para ser o Autor na nossa salvaçãoEm breve!
DS 15Hb 2.14-18A Obra de Cristo a Nosso FavorEm breve!
DS 16Jo 5.24Em Cristo, passamos da morte para a vidaEm breve!
DS 17-----Não preguei neste dia do Senhor---------------
DS 18At 1.1-11Cristo Subiu ao CéuEm breve!
DS 192 Tm 4.1Quando o Senhor Jesus Cristo voltar, Ele julgará os vivos e os mortosEm breve!
DS 20-----Não preguei neste dia do Senhor---------------
DS 21At 2.42-47Uma Igreja cheia do Espírito SantoEm breve!
DS 22-----Não preguei neste dia do Senhor---------------
DS 23Rm 5.1-5Os Frutos da Justificação Pela FéEm breve!
DS 24-----Não preguei neste dia do Senhor----------
DS 25-----Não preguei neste dia do Senhor---------------
DS 26-----Não preguei neste dia do Senhor---------------
DS 27At 22.12-16Sinal e Realidade no BatismoEm breve!
DS 281 Co 11.23-26A Instituição da Ceia do SenhorEm breve!
DS 29-----Não preguei neste dia do Senhor---------------
DS 30Hb 1.1-4A Presença de Cristo na Santa CeiaEm breve!
DS 31Jo 20.19-23As Chaves do ReinoEm breve!
DS 32-----Não preguei neste dia do Senhor [férias]---------------
DS 33-----Não preguei neste dia do Senhor [férias]---------------
DS 34-----Não preguei neste dia do Senhor [férias]---------------
DS 35-----Não preguei neste dia do Senhor [férias]---------------
DS 36Êx 20.7Não tomarás o nome do SENHOR, teu Deus, em vão00:42:3819,8 MB07/09/2017
DS 37Dt 10.20Só pelo SENHOR jurarásEm breve!
DS 38-----Não preguei neste dia do Senhor---------------
DS 39Êx 20.12Honra teu pai e tua mãe [Quinto Mandamento]01:00:4735,1 MB28/09/2017
DS 40Mt 5.21,22Não matarás [Sexto Mandamento00:37:4226,2 MB21/09/2017
DS 41Mt 5.27-30Não Adulterarás [Sétimo Mandamento]00:46:0731,904/10/2017
DS 42Ef 4.28Não Furtarás [Oitavo Mandamento]00:51:5324,0 MB10/10/2017
Compartilhe!
Pr. Elienai B. Batista

Elienai B. Batista

Verbi Dei Minister

Ministro da Palavra e dos Sacramentos atualmente trabalhando em um projeto missionário ligado ao Centro de Literatura Reformada (CLIRE), e na plantação de uma Igreja Reformada em Paulista – PE.

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 14 outros assinantes

Pr. Elienai B. Batista

Ministro da Palavra e dos Sacramentos atualmente trabalhando em um projeto missionário ligado ao Centro de Literatura Reformada (CLIRE), e na plantação de uma Igreja Reformada em Paulista – PE.

Related posts
Leave a reply