Sobre

Este site tem como objetivo oferecer recursos, principalmente em áudio, sobre a fé, a cosmovisão e a piedade reformada.

Recent tags

Tito 1.5,6 [Pregação]

Tito 1.5,6 [Pregação]

Amada Igreja do Senhor Jesus Cristo,

Eu quero começar com uma pergunta que muito nos interessa: O que é realmente importante para que uma igreja cresça e viva de modo saudável e bíblico?

Obviamente não vamos encontrar a resposta para essa pergunta apenas em um texto, ou livro da Bíblia. No entanto, como já observamos a Epístola a Tito é uma Epístola Pastoral, e por isso, encontramos nela, se não toda resposta, pelo menos uma parte da resposta.

Nós somos uma congregação em processo de plantação, e por isso, temos que ter constantemente diante de nós esta pergunta: O que é realmente importante para que uma igreja cresça e viva de modo saudável e bíblico?

Pense sobre aquilo que ouvimos nas duas pregações em Tito 1.1-4. Esse texto nos oferece uma resposta? Sim, aprendemos sobre a centralidade do evangelho. O evangelho que anuncia a vida eterna, que foi prometida por Deus, e que se manifesta na pregação. Observamos também a relação entra a pregação, a fé, a verdade e a piedade.

Desta forma, devemos concluir que uma igreja não pode crescer e viver de modo saudável, sem a fiel pregação do evangelho. Na verdade, sem o evangelho, ela não será igreja, porque não estará unida a Cristo. É por isso, que reconhecemos junto com os reformadores que uma das marcas de uma verdadeira igreja de Cristo é a fiel pregação do evangelho.

Aqui precisamos reconhecer que o crescimento da igreja em todos os seus sentidos depende do Senhor, mas, ao mesmo tempo, precisamos reconhecer que o meio que Ele usa para dar crescimento à Sua igreja, é a Sua Palavra. De modo que o crescimento da igreja, portanto o seu crescimento, é proporcional à pregação que você está ouvindo e aplicando à sua vida.

Isso quer dizer, que se por exemplo, uma família mudasse de cidade, e tivesse de escolher uma igreja onde congregar, o que deveria ser o fator mais importante? A acústica? A comodidade do prédio? A proximidade de sua casa? Se há boa música? Se há muito envolvimento com os jovens? Se você terá um cargo? Não. A coisa mais importante para o crescimento deste homem e de sua família é a fiel pregação do evangelho. As outras coisas podem ser desejáveis, mas a pregação é essencial.

Sem a fiel pregação a igreja não pode crescer de forma bíblica e saudável. Portanto, se você entende isso, ajustará toda sua vida em direção à Palavra de Deus. Por exemplo, esse será um dos critérios que o fará aceitar ou rejeitar um emprego. Tal emprego me afastará da pregação? Mudar para tal cidade, me afastará da pregação fiel? Então aqui está uma das coisas mais importantes para a nossa vida, termos a certeza que estamos debaixo de pregação fiel.

E se você me pergunta: como podemos saber o que é pregação fiel? Eu resumiria da seguinte forma: ela exalta a Deus e humilha os homens. Ela nos apresenta Cristo, Sua obra a nosso favor. Ela explica as Escrituras e a aplica às nossas vidas.

O Evangelho já havia chegado em Creta, esse fundamento já havia sido posto nas igrejas em Creta. Não sabemos exatamente como a pregação do Evangelho chegou em Creta, mas os estudiosos têm sugerido, que Paulo e Tito, chegaram a Creta, e iniciaram a plantação de igrejas em várias cidades. E que depois disso, por uma razão que nos é desconhecida, o apóstolo deixou a ilha. No entanto, Paulo sabia que havia aspectos da organização daquelas igrejas que precisavam ser completados. Por isso, deixou em Creta, Tito como seu representante.

Depois de algum tempo, ciente das dificuldades enfrentadas por Tito, para levar adiante sua missão, Paulo escreve esta carta com instruções. Não são novas instruções, pois ele diz no v.5: “conforme te prescrevi”. Portanto, Paulo já havia dado essas instruções, mas agora as repete na carta, não só para encorajar Tito, mas também para o conhecimento das igrejas em Creta, a fim de que reconhecessem a autoridade de Tito.

Essas instruções, estão relacionadas com colocar “em ordem as coisas restantes”. Ou seja, aquilo que ficara por terminar depois da partida de Paulo. Mas o que são essas “coisas restantes” que precisavam ser organizadas? Lendo a carta, descobrimos que se referem a três coisas principais: 1) constituir presbíteros em cada cidade (1.5); 2) fazer calar os falsos mestres (1.10,11); 3) instruir os crentes na doutrina que promove a piedade (2.1,10).

Ao olhar para essas instruções, ainda devemos ter em mente a pergunta inicial: O que é realmente importante para que uma igreja cresça e viva de modo saudável e bíblico? Já ouvimos que antes de tudo o fundamento, o Evangelho de Cristo deve ser posto.

Sem este fundamento, a fiel pregação do evangelho, o edifício não pode ser construído de modo correto. Se alguém erra no fundamento toda estrutura fica prejudicada. Mas uma vez que o fundamento tem sido posto, como foi nas igrejas em Creta, quais os próximos passos?

Quais são as coisas restantes que precisam ser colocadas em ordem? Colocando de outra forma: O que é preciso para que novas igrejas cresçam em maturidade e serviço? A Epístola a Tito não nos oferece todas as respostas, mas aqui está o que o apóstolo considerou mais básico.

Se perguntamos: Uma vez estabelecido o fundamento, a fiel pregação do Evangelho, por onde devemos seguir se queremos ver as coisas em ordem na igreja de Cristo? A primeira parte da resposta é esta: “constituir presbíteros” (v.5).

Os detalhes sobre como Tito constituiria presbíteros em cada cidade não são fornecidos aqui, mas é provável que Tito promoveria uma eleição em cada igreja local a qual ele confirmaria por meio da imposição de mãos.

Conforme Atos 14.22-23, foi assim que fizeram Paulo e Barnabé em sua viagem missionária. Depois de terem pregado o evangelho em várias cidades, eles voltaram “fortalecendo a alma dos discípulos, exortando-os a permanecer firmes na fé; e mostrando que, através de muitas tribulações, nos importa entrar no reino de Deus. E, promovendo-lhes, em cada igreja, a eleição de presbíteros, depois de orar com jejuns, os encomendaram ao Senhor em quem haviam crido.”

Pelo que lemos no Novo Testamento, promover a eleição de presbíteros em cada igreja, é um passo importante na direção de um crescimento saudável da igreja. Observem que no modelo bíblico é a igreja quem escolhe seus presbíteros, não um homem. É a igreja quem deve procurar pelas qualificações aqui apresentadas. Isso quer dizer que vocês são responsáveis por observar e indicar para os ofícios, homens em quem vocês possar ver as qualificações aqui apresentadas. Ouça com atenção o ensino sobre as qualificações e orem a respeito, conversem com aqueles que você julga que talvez possam servir como oficiais. Faça perguntas a eles. Preste atenção neles. Procure pelas qualificações.

Os presbíteros devem ser escolhidos pela igreja. Mas quem são os presbíteros? Qual sua tarefa na igreja de Cristo? A palavra “presbítero”, tão simplesmente significa “ancião”. Mas isso não quer dizer que somente homens mais velhos podem ocupar este ofício. A palavra presbítero chama nossa atenção para o fato que devem ser homens maduros, tais como as qualificações aqui apresentadas descrevem.

O encargo confiado por Cristo aos presbíteros é o governo espiritual de sua igreja. Muitas passagens falam dos presbíteros como aqueles que governam a igreja. Por exemplo, 1Tm 5.17, que refere-se aos presbíteros que governam bem.

O governo espiritual ao qual os presbíteros são chamados está vinculado com o pastoreio das ovelhas de Cristo, às quais eles devem cuidar e supervisionar, por isso, também são chamados de pastores e bispos. São três termos diferentes para falar do mesmo ofício, como se evidencia em Atos 20.28.

Em sua viagem de volta a Jerusalém, o apóstolo Paulo que havia passado três anos na cidade de Éfeso, estando em Mileto (cidade próxima), manda chamar os presbíteros da igreja em Éfeso. E eis o que ele lhes diz: “Atendei por vós e por todo o rebanho sobre o qual o Espírito Santo vos constituiu bispos, para pastoreardes a igreja de Deus, a qual ele comprou com o seu próprio sangue.

Portanto, os presbíteros, são designados como bispos, isto é, supervisores, a fim de pastorear a igreja de Cristo.

Também devemos notar que tanto aqui, como nas demais passagens do Novo Testamento, temos o plural, presbíteros. Isso quer dizer que o governo e o pastoreamento da igreja não são realizados por um único homem, mas por uma pluralidade.

Aprendemos, tanto aqui, como nas demais cartas pastorais, que o governo da igreja não é o governo do povo (congregacional), nem o governo de um homem (episcopal), mas o governo de uma pluralidade de presbíteros escolhidos pela igreja.

Além disso, devemos observar que quando o apóstolo Paulo, diz a Tito que comece o trabalho de colocar as coisas em ordem, nas igrejas em Creta, por constituir presbíteros em cada cidade (igreja), indica assim que o crescimento e a consolidação de uma igreja, tem relação com a supervisão pastoral que deve ser realizada pelos presbíteros da igreja. Ter presbíteros em uma igreja local, significa que temos vários pastores. Portanto, como uma congregação que deseja consolidar-se como uma igreja instituída, devemos reconhecer que precisamos de presbíteros.

Para crescermos de forma saudável, precisamos de supervisão pastoral. Esse é o meio que usa.

Colocarei de outra forma: se você quer crescer espiritualmente, precisamos não só de pregação, mas também de pastoreio fiel.

Portanto, precisamos orar, e pedir ao Senhor que nos conceda presbíteros. Vocês tem orado por isso? Vocês tem deseja isso seja uma realidade nesta congregação? Presbíteros, são pastores. Vocês desejam experimentar ainda mais o pastoreio de Cristo, por meio de oficiais locais?

Espero que vocês desde cedo nutram amor e consideração pelos presbíteros. Vejam o que diz o Espírito Santo em 1Ts 5.12,13: “Agora, vos rogamos, irmãos, que acateis com apreço os que trabalham entre vós e os que vos presidem no Senhor e vos admoestam; e que os tenhais com amor em máxima consideração, por causa do trabalho que realizam.”

Portanto, amem seus pastores, respeitem-nos, orem por eles, cuidem deles, ajudem. Lembrem-se do que diz o Espírito Santo em Hebreus 13.17: “Obedecei aos vossos guias e sede submissos para com eles; pois velam por vossa alma, como quem deve prestar contas, para que façam isto com alegria e não gemendo; porque isto não aproveita a vós outros.”

No entanto, reconhecer que precisamos de presbíteros para que possamos crescer de forma bíblica e saudável, coloca um peso sobre todos, especialmente sobre os homens desta congregação.

Dizer que precisamos de presbíteros é só uma parte da resposta. Na verdade devemos dizer à luz do contexto que precisamos de presbíteros qualificados. Isso quer dizer que sim precisamos de presbíteros, mas não qualquer tipo de presbíteros. É necessário que sejam qualificados.

Para que tenhamos presbíteros qualificados, precisamos de homens qualificados (vv.6-9). As qualificações aqui apresentadas, são requeridas dos presbíteros, mas na verdade são qualificações que devemos ver em todos os homens da igreja.

Todos os homens da igreja devem ser irrepreensíveis, todos os homens da igreja devem ser marido de uma só mulher, todos os homens da igreja devem governar bem sua casa. Uma vez que os homens são os cabeças de seus lares, podemos dizer que o crescimento e a maturidade desta igreja não irá além do crescimento e maturidade dos homens que a compõem.

Portanto, ao ouvir sobre essas qualificações, cada homem da igreja deve examinar sua própria vida. Não só devemos orar e trabalhar para que tenhamos homens fiéis e maduros, de tal forma, que a única coisa a separar, se não todos, pelo menos a maioria dos homens da igreja, de servirem nos ofícios, seja o chamado de Deus, e não o fato de estarem desqualificados para o ofício. E vocês jovens, ao ouvirem sobre essas qualificações, devem dizer: é esse tipo de homem que eu quero ser. Que tipo de homem pode servir como presbítero? (vv.6-9)

Os homens são responsáveis não só por crescerem em maturidade e serviço, mas também por encorajarem uns aos outros. Como podem fazer isso? Por exemplo, quando o culto acabar, e estivermos tomando o nosso cafezinho, converse sobre coisas edificantes. Converse sobre a pregação, como podemos aplicá-la. Perguntem sobre o crescimento de seus irmãos, corrijam as fraquezas de seus irmãos. Sejam corajosos, sejam homens de verdade. E não homens que negligenciam suas responsabilidades mútuas. Se vocês querem uma igreja que cresça de forma saudável, precisamos de presbíteros, para termos presbíteros precisamos de homens qualificados. Então ajudem uns aos outros para sermos homens se pareçam com Cristo.

Essa lista não é exaustiva, no entanto é indispensável. A ênfase dessa lista não está nos dons, pois só a última qualificação está relacionada com a capacidade de ensinar, mas a ênfase está em um caráter transformado pela graça de Deus. Portanto, como disse, o que lemos aqui não se refere só aos presbíteros. Mas a todos os homens da igreja, na verdade a todos os membros da igreja. Nem todos os homens têm a vocação para servir a igreja como bispos (supervisores), mas todos devem almejar o caráter requerido dos líderes na igreja. Porque esse caráter aqui exigido não é outra se não ser um homem parecido com Cristo.

Para fins didáticos podemos dividir essa lista em três partes: o presbítero e sua vida familiar, o que o presbítero não deve ser e o que o presbítero deve ser. Mas me parece que há aqui uma certa ordem. Por onde devemos começar? Presbíteros qualificados. Por onde devemos começar a analisar as qualificações de um homem para o ofício? Por sua vida familiar. Por onde devemos a observar sua vida familiar? Por seu casamento.

Agora que temos uma ideia geral dessas qualificações, vejamos a primeira qualificação (ler v.6).

Em primeiro lugar, se requer do presbítero que ele seja irrepreensível (v.6).

O termo “irrepreensível”, significa literalmente “não chamado”. E traz a ideia de “alguém que não pode ser chamado para prestar contas”, ou seja, alguém livre de acusação. Alguém que não é alvo de repreensão.

O termo se repete no v.7, onde lemos que é necessário que o bispo (supervisor) seja “irrepreensível como despenseiro de Deus”. A palavra “despenseiro” refere-se ao administrador de uma casa, e pode ser traduzido como mordomo. Aqui trata-se da casa de Deus, ou seja, sua igreja. Os bispos são administradores de Deus, na igreja. E por isso, devem ser irrepreensíveis.

Em 1 Tm 3.10, lemos o mesmo sobre os diáconos. Falando sobre as qualificações para o diaconato, Paulo diz: “Também sejam estes primeiramente experimentados; e, se se mostrarem irrepreensíveis, exerçam o diaconato.” É verdade que a palavra grega é diferente, mas tem a mesma ideia.

Nesse texto aprendemos que o diácono deve ser experimentado (testados, colocados à prova) antes de servir no ofício. Após o teste o candidato ao diaconato deve ser achado irrepreensível, ou seja, estar acima de qualquer reprovação ou acusação. Esse teste é mediante a observação de sua maneira de viver. Por exemplo: ele cumpre sua palavra? Ele administra corretamente suas finanças? Ele se ausenta do cultos sem motivos justos? Ele chega no horário correto para o culto? Ele coopera nas atividades da igreja. Ele tem prazer na comunhão dos santos, ou sem motivo vai embora assim que o culto termina? Ele conversa sobre coisas edificantes? Está pronto para ajudar? Ou essas e outras coisas são para ele motivo de repreensão?

Ao falar de homens irrepreensíveis no ofício, obviamente isso não se quer dizer que os presbíteros e diáconos devem ser homens perfeitos, que nunca pecam. Se fosse preciso que não tivesse falha alguma, ninguém poderia ser um oficial na igreja de Cristo. Mas falamos que os oficiais devem ser homens livres de acusação, repreensão ou censura, especialmente em relação às demais qualificações.

Esta qualificação (sintética) pode ser um tipo de subtítulo para as demais. As outras descrevem como ele deve ser irrepreensível.

A ênfase aqui está na reputação deste homem. Atos 6.3, nos diz que os diáconos devem ser homens de boa reputação. No contexto das cartas pastorais, isso contrasta com os falsos mestres que estavam manchando o nome de Cristo, do evangelho e da igreja. Por isso, eram necessários líderes (e os demais homens) aptos e dignos que atraíssem as pessoas à fé cristã.

O homem irrepreensível se erra, admite o erro; se peca, confessa o pecado; se deve algo, acerta as contas; e, se ofende, restaura o relacionamento. Ele não deixa pendências que podem torná-lo repreensível.

O tipo de homem que devemos escolher para o ofício é aquele homem, sobre o qual, se alguém lançar a acusação, nos lhe daremos o benefício da dúvida. Não aquele tipo de homem que diríamos, eu já tinha as minhas suspeitas. Um homem sobre o qual há suspeitas, um homem sobre o qual pesam acusações, um homem que volte e meia precisamos repreender, não deve servir nos ofícios. Se há algo que denigre sua honra ou autoridade, ele não pode ser um oficial a igreja. Para ser um presbítero ou diácono na igreja de Cristo, é necessário que seja um homem irrepreensível.

Mas todos os homens da igreja devem ser irrepreensíveis. Portanto, os homens aqui presentes devem se perguntar: Existem pessoas que podem me acusar de algo ainda não resolvido, algo que me torne repreensível? Talvez palavras ou brincadeiras impensadas, pecados sexuais passados, negócios ilícitos, falta de moderação, avareza ou preguiça; reputação suspeita; ética questionável; linguagem obscena; ira, contendas ou mágoas não resolvidas; falta de palavra. Há pontas soltas em minha vida que me tornam repreensível?

Amados irmãos é no lar, onde esta qualificação da verdadeira masculinidade bíblica deve ser vista primeiro (restante do v.6). Sua esposa ou seus filhos diriam que você é um homem irrepreensível? E se você é solteiro, seus pais, irmãos ou amigos diriam que você é um homem irrepreensível?

Portanto, amados irmãos, todos nós homens aqui presentes temos que viver de tal maneira que sejamos irrepreensíveis. Se algum homem aqui tem se tornado repreensível, deve examinar sua vida. Deve se perguntar: Onde estão as brechas em minha vida que tem me tornado um homem repreensível? Porque essas brechas ainda não foram fechadas? O que tenho feito para fechar essas brechas?

Você ainda pode se perguntar: Há algo pendente, ou em aberto em minha vida que me torna repreensível? Há algum pecado não confessado? Há algum relacionamento quebrado? Há alguma dívida não saldada?

Todos nós devemos examinar nossas vidas e ver o que em nossas vidas faz com que nos tornemos repreensíveis. Mas devemos reconhecer que somente pela graça de Deus um homem é capaz de refletir o caráter de Cristo.

Um homem só pode ser irrepreensível em Cristo, que pagou por todos as nossas dívidas. Em Cristo podemos reconhecer nossos pecados e prestar contas de atitudes, pensamentos e motivações que estejam em desacordo com a vontade de Deus. Em Cristo podemos corrigir nossas vidas, a fim de fechar todas as brechas, cortar todas as pontas soltas para sermos homens irrepreensíveis.

Então amados irmãos, isso nos faz voltar ao fundamento. O evangelho. Não olhamos para essas qualificações como metas inalcançáveis, e tão pouco como meios para sermos aceitos por Deus, mas como frutos da obra de Cristo em nossas vidas. Cristo quer que todos nós sejamos irrepreensíveis. E dentre os homens qualificados da igreja Ele quer chamar alguns para servirem no pastoreio de Sua igreja.

É isso que desejamos? Que Cristo manifesta assim seu cuidado para conosco? Queremos pastores qualificados? Então sejamos homens qualificados. Sejamos uma igreja qualificada. Refugiemo-nos em Cristo. Busquemos em oração por essas bênçãos. Cuidemos uns dos outros. Encorajemos uns aos outros. A igreja não é um lugar para sentar. Mas para servir. Cristo quer que nós manifestemos sua graça uns aos outros.

Este é um processo lento. Mas não devemos parar. Coragem amados irmãos. Sejamos homens de verdade, homens como Cristo. Cumpramos nossas responsabilidades. Oremos para que Ele nos conceda diáconos e presbíteros qualificados. E veremos essa igreja se consolidar de forma bíblica e saudável e o nome de Cristo ser glorificado neste bairro, nesta cidade.

Amém!

Local e data

Sermão pregado à Igreja Reformada em Paulista no culto vespertino do dia 17 de setembro de 2017.

Ficha Técnica

Conteúdo e voz: Elienai B. Batista.
Edição de áudio: Abner F. B. Batista.

Dúvidas

Caso você tenha alguma dúvida sobre a pregação, pode usar o nosso grupo no Facebook para fazer sua pergunta. Porém, só responderei quando me for possível. Para isso, clique aqui e peça acesso ao grupo, escreva sua pergunta e link meu nome dentro do grupo. Quando puder responderei.

TextoLeituraTítuloDuraçãoTamanhoData
Tito 1.1Tito 1.1-4Deus promove a fé dos seus eleitos por meio do ministério da Palavra00:47:4222,2 MB06/09/2017
Tito 1.2-4Tito 1.1-4A Esperança da Vida Eterna00:54:1825,3 MB11/09/2017
Tito 1.5-6Tito 1.5-9Colocando as Coisas em Ordem00:35:0332,5 MB13/10/2017
Tito 1.6Tito 1.1-9O Homem de Deus e o Seu Lar00:44:2130,9 MB16/10/2017
Tito 1.7Tito 1.1-9O que o homem de Deus não deve ser00:56:0751,8 MB17/10/2017
Tito 1.8Tito 1.1-16O que o homem de Deus deve ser20/10/2017
Tito 1.9Tito 1.1-16O homem de Deus e seu apego à palavra fiel
Compartilhe!
Pr. Elienai B. Batista

Elienai B. Batista

Verbi Dei Minister

Ministro da Palavra e dos Sacramentos atualmente trabalhando em um projeto missionário ligado ao Centro de Literatura Reformada (CLIRE), e na plantação de uma Igreja Reformada em Paulista – PE.

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 10 outros assinantes

Pr. Elienai B. Batista

Ministro da Palavra e dos Sacramentos atualmente trabalhando em um projeto missionário ligado ao Centro de Literatura Reformada (CLIRE), e na plantação de uma Igreja Reformada em Paulista – PE.

Related posts
Leave a reply